Skip to content

A Metade

diciembre 11, 2013

Devia ter guardado metade do chocolate; agora tava com fome de novo. Mas estava tão bom! Tinha alguma coisa para comer, concerteza, mas ela queria chocolate agora. Talvez amanhã ou nesses dias tivesse mais doces de novo. A Doutora ganhava muita coisa nestas datas, e nem sempre ficava com tanto doce. Frescura. E nem sempre gostava dos chocolates que ganhava; frescura dela. Tava tarde, e amanhã tinha a viagem da Giulia, e concerteza ia ficar uma zona na casa arrumando as malas e com as amigas da Giulia.

Daí ficou pensando no Rogério. Safado! “Vamos se pegar,” falou ele. “Cê é louco!” falou ela. “Para com essa palhaçada. Pensa que eu sou… tua prima.” Aí ele falou “Eu já peguei minha prima, e ela era mais novinha que você.” Não adianta com esse cara. Mas daí ele ficou pensando alguma coisa, e meio que perdeu o tesão. Ainda bem.

No dia seguinte, ela chegou na casa e estava tudo bem certinho. A Giulia tinha preparado quase tudo, só faltava arrumar. As amigas vinham mais tarde com o Rogério. Ela pensou, após a viagem talvez a Doutora vai me dizer de ficar na casa. Vai que fico empregada.

Ao chegar à casa, a Doutora chamou Ivanete. Vinha ponderando a possibilidade. Desistiu por enquanto, adiando a conversa; precisava tomar um banho. Deu para ela um dos presentes que tinham comprado para os funcionários e relaxou na água morna alguns minutos; uma delícia poder esquecer tudo e todos por um instante. Tantas pacientes, e aquele trânsito, sem o Rogério, que estava buscando as meninas para a viagem. Sim, a oferta seria interessante.

Abriu os olhos e olhou pela janela. As cores do pôr do sol, cálidas e convidativas inclusive interrompidas pela silhueta dos prédios do outro lado do parque, faziam com que quisesse mais e mais terminar a semana e estar no sítio.

Uma vez que saíra do banho e se vestira, foi ao estúdio e conferiu a agenda para o dia seguinte. Mandou uma mensagem para a sua secretária, para assim que puder marcar consulta com a esteticista. Ivanete trouxe o chá. Aproveitou o momento:

“Nete, sabe… pensei que seria bom ter uma empregada aqui no apartamento; para ficar. Quer dizer, agora com os horários de todos tão diferentes.”

“Sim, Doutora. Eu…”

“Enfim, vou aceitar a proposta da esposa do Rogério.”

“Sim, Doutora.”

“Mas é claro que você pode continuar vindo para ajudar na faxina, com as compras; tudo que precisar. Você é muito de confiança, e a Giulia gosta de você, Nete.”

“Sim, Doutora. Obrigada.”

Quando saiu para voltar em casa ficou andando e pensando, descendo até o ponto. O trânsito tava um lixo. Comprou salgadinhos num camelô na esquina. Um cachorro aquele Rogério. Agora ele vai se lascar se quiser qualquer coisa! Quando a esposa vim vai compricar, saiba disso. Pelo menos tinha chocottone para comer na novela.

.

Anuncios
No comments yet

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: